Facebook

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Quadrilha treinada pelo PCC tinha integrantes em Salinas e Padre Carvalho

Veículo usado pela quadrilha no assalto em Coronel Murta foi queimado
Uma quadrilha atuante no tráfico de armas e drogas no Norte de Minas é desarticulada na manhã desta quinta (28) através da operação “Todos Pagam”, da Polícia Federal. Foram cumpridos 68 mandados judiciais expedidos pela 1ª Vara Criminal de Montes Claros. Dos 15 mandados de prisão temporária, apenas um integrante conseguiu fugir em Padre Carvalho.

De acordo com o delegado Marcelo de Freitas, as investigações comprovaram que os criminosos são os maiores fornecedores em drogas e armas da região. Seus integrantes são de Montes Claros, Padre Carvalho, Salinas e várias outras cidades de Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, de onde vinham as drogas e armas.

Além desses crimes, o grupo também realizava assalto a empresários, roubo a agências lotéricas, agências dos correios, estabelecimentos comerciais e furtos de veículos.

Em entrevista, o delegado da Polícia Federal informou que o bando estava sendo investigado há sete meses e atuavam há pelo menos dois anos na região. Dr. Marcelo não quis divulgar os nomes das pessoas presas, pois ele alega que pode atrapalhar as investigações. Um homem de Salinas foi preso na operação e o delegado informou que a maioria dos presos é de Padre Carvalho. O delegado disse também que existem policiais da região envolvidos com a quadrilha e as investigações continuam.

Os envolvidos movimentavam muito dinheiro, pois chegavam a vender 2.500 quilos de drogas por mês. As substâncias eram escondidas em uma fazenda de eucalipto no município de Padre Carvalho, e o dono da propriedade era um dos líderes da quadrilha. Outro líder do grupo foi preso em BH, com ele os federais encontraram R$ 61 mil. A PF estima que essa seja a maior quadrilha em atuação no que se refere ao tráfico de drogas no Norte de Minas.

Entre os crimes cometidos pelo bando, destaque para o assalto a casa lotérica de Fruta de Leite em novembro de 2015; o roubo aos Correios em Padre Carvalho em dezembro de 2015; o assalto ao posto de combustíveis Chimba, na BR-251 em março de 2016 e o assalto na agência dos Correios em Itacambira, quando quatro homens foram mortos e dois ficaram feridos depois de uma troca de tiros com a Polícia Militar.

Outro grande roubo executado pela quadrilha foi em Barra de Salinas, distrito Coronel Murta, quando levaram R$ 1,5 milhão em pedras preciosas e R$ 150 mil em dinheiro. Durante a ação, 13 ladrões se passarão por policiais civis. O bando também estaria envolvido em assaltos a comércios de outras cidades. Em todos os crimes, os homens eram violentos, utilizavam  “forte” armamento, coletes a prova de balas, rádios e “viaturas” com plotagens falsas.

3 comentários:

  1. O Brasil é essa bagunça porque possui um Código Penal de 1940!

    ResponderExcluir
  2. Do q adianta fazer operações sendo q nao ficam presos! ficam no maximo uns 15 dias e ja são soltos!

    ResponderExcluir