Facebook

sábado, 4 de junho de 2016

O oprimido e a opressão

Por Levon Nascimento
A opressão não seria tão violenta e persistente se não contasse com o conformismo ou, até mesmo, a colaboração dos oprimidos frente aos opressores.

Os 350 anos da brutal e desumana escravidão negra no Brasil não teriam durado tanto se, num dado momento da história, muitos escravizados não tivessem começado a achar que aquilo era destino (sina) e, outros, a navegar no próprio sistema escravocrata, passando a colaborar com seus senhores em troca de pequenos favores, à forma de migalhas: os capitães do mato.

A dominação feminina em diferentes tempos ou em diversos tipos de sociedade, só foi possível graças ao fato da maioria das mulheres aceitarem a condição de submissas ao poder discricionário dos homens.

Igualmente, a exploração da mais-valia dos trabalhadores por seus patrões só se efetiva porque a grande parte do proletariado não toma consciência de classe e, efetivamente, não luta unida pela superação das relações capitalistas de trabalho.

No Brasil dos dias atuais, esta constatação se faz ainda mais evidente. Depois de um período de quatorze anos – curto interregno diante de sua longa história de espoliação pelas oligarquias – no qual um governo de origem popular – ainda que marcado pelo tal presidencialismo de coalizão, o qual desfigurou o projeto original das personagens principais deste período de poder – a população beneficiária de uma série de avanços sociais, conquista de direitos e empoderamento real das classes trabalhadoras e pobres, foi conduzida ideologicamente, por força da grande mídia cartelizada, a desejar o impeachment do governo legitimamente eleito e a ansiar pela entronização, no Palácio do Planalto, de plutocratas que, em nada, representam seus reais interesses de classe.

Desta forma, jovens foram às ruas contra a corrupção, por mais escolas e saúde. Recebem do novo governo a nomeação de velhos ministros que sempre defenderam justamente o oposto e, de quebra, sinaliza com o desmonte das políticas de inclusão na educação. Mulheres com rosto maquiado de verde e amarelo bateram em panelas contra o governo da primeira mulher eleita para a presidência da República brasileira. Como pagamento, veem a extinção do ministério especial que tratava de políticas públicas para o sexo feminino, bem como um ministeriado totalmente composto por homens, fato que nem mesmo o último governo da ditadura militar tinha ousado. Assalariados de carteira assinada bradaram contra o primeiro governo oriundo das classes trabalhadoras. Em troca, veem o novo governo acenar para a flexibilização dos direitos, tão arduamente conquistados, contidos na CLT, bem como às cruéis terceirizações, ao aumento da idade para se aposentar e ao fim da política de valorização real do salário mínimo.

Nenhuma das constatações anteriores retira a responsabilidade das costas da classe que historicamente se fez opressora sobre as demais. Atualmente, ela se encontra assentada nos barões da grande mídia, organizada em cartel de poucas famílias; nas grandes empresas do capital financeiro (bancos), industrial e comercial; na política tradicional das velhas oligarquias (partidos políticos de direita); e em setores do próprio Estado nacional, tradicionalmente ocupados por estratos da classe média, mas identificados com os interesses da alta burguesia, a exemplo do que ocorre, em grande medida, no Poder Judiciário, no Ministério Público e em corporações como a Polícia Federal.

Porém, não invalida a análise de que é necessário investir para que o oprimido não mais se identifique com o opressor que lhe explora. Se isto não vier a ocorrer com urgência, o Brasil estará sempre sujeito a golpes daqueles que não se contentam em esperar as próximas eleições para tentar acender ao poder pelo voto democrático, configurando-se numa gigantesca república bananeira. Esta consciência se fará na Educação: teórica, ofertada nas escolas, e prática, no calor das lutas encampadas pelos movimentos sociais.

* Levon Nascimento é professor de História e mestrando em “Estado, Governo e
Políticas Públicas” pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso Brasil).

14 comentários:

  1. Ótima análise. A educação foi, é e sempre será a maior bandeira que o povo de uma nação deve erguer e brigar por sua qualidade. Afinal, enquanto nossos governantes e populares se preocupam com soluções para problemas que a sociedade vê aos montes em seu cotidiano, deveríamos no preocupar com a prevenção. Por exemplo, nunca vi uma palestra em escolas(ou em qualquer outro segmento social) ministrada por aqueles que são escolhidos para serem "conselheiros tutelares" em reafirmar os deveres de uma criança ou adolescente frente a questões do cotidiano. Mas notícias de cobranças de "direitos" para estes são declamadas ao monte quando não compridas. Precisamos ter mais carinho pela educação e somente assim o "oprimido" ganhará reais condições para se libertar do "opressor".

    ResponderExcluir
  2. Mais um lixo de artigo produzido por este professor petista,vai dar aula professor e nos poupe de bobagens fudamentalistas que sua cabeça produz,por favor diretor deste jornal não publique estes artigos deste homem vermelho alias quero lembrar ao professor que nossa patria e verde e amarelo não vermelha.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns! Professor. Continue escrevendo seus artigos. Um dia aqueles que fecham os olhos e ouvidos para a realidade hão de reconhecer que estavam errados...

    ResponderExcluir
  4. Ao invés de discurso de ódio por que o sujeito acima não contradiz os argumentos do professor ? Provavelmente por se tratar de mais um dos sábios batedores de panelas que protestam contra a corrupção usando camisa da CBF.

    ResponderExcluir
  5. "Ninguém melhor que Paulo Freire pode representar o espírito da educação petista, que deu aos nossos estudantes os últimos lugares nos testes internacionais, tirou nossas universidades da lista das melhores do mundo e reduziu para um tiquinho de nada o número de citações de trabalhos acadêmicos brasileiros em revistas científicas internacionais". Olavo de Carvalho.

    ResponderExcluir
  6. Mais um lixo de artigo.. Palavras muito bem colocadas, mas uma péssima análise da história real desse país. Avanços sociais professor não significa desenvolvimento do país.. Apesar de uma coisa está ligada igada a outra, ficamos à mercê de bandidos trajados de governistas, bandidos que nos roubaram na maior cara de pau. E se você realmente tivesse critério para fazer uma análise desse período de Governo petista, teria percebido que na verdade o país deixou de desenvolver. O pouco que avançamos, foi um nada, perto do que poderíamos crscer se tivéssemos um governo comprovadamente com todo o povo, não apenas com o que ele chama de "pobres". Dá adjetivos para um povo brasileiro, alienando esse povo a migalhas para manter seu poder. Nós faça um favor, se abstenha de ajudar esses comunistas, disfarçados de heróis a disseminar essa idéia de governo ultrapassada e facista.

    ResponderExcluir
  7. Mediocridade explicita!!! este e o resume que podemos fazer deste artigo.
    invariavelmente os que ainda defendem o modelo ptista/bolivariano de governar, são também dirigentes ou aspirantes a dirigentes partidários ou sindicalista q no brasil, funcionam como um braços dos partidos de esquerda.Basta ver quantas manifestações a tal da CUT fez ate agora em defesa dos 12 Milhões de desempregados no brasil. Venezuela e cuba são modelos de "governança" a ser seguido por este povo.Uma tem a ditadura mais antiga das Américas já o outro governado pelo ditador maduro,falta de remédio a papel higiênico pro seu povo e tem uma inflação que para este ano a previsão e que supere os 700% #Fora projeto criminoso de poder.

    ResponderExcluir
  8. mediocridade explicita! este e o resumo que podemos fazer deste artigo.Os poucos que ainda defendem este modelo ptista/bolivariano de governar, são invariavelmente dirigentes partidários do (PT ou PC d b) ou são no minimo, aspirantes a tais cargos ou aspiram se a uma "boquinha" num sindicato pelego que no brasil,funcionam como puxadinhos do PT. Basta vê quantas vezes a tal da CUT foi as ruas manifestar se a favor dos mais de 12 milhões de desempregados existentes no pais por enquanto... O modelo de "governança" desse povo, são países como cuba e Venezuela um, tem a ditadura mais antiga das Américas já o outro do ditador maduro, falta de papel higiênico a remédios e com racionamento de energia 12 horas por dia em todo pais menos no seu palácio e claro uma inflação que para este ano a previsão e que supere os 700% # fora projeto criminoso de poder.

    ResponderExcluir
  9. Embora não esteja totalmente relacionado ao artigo do professor, mas diante de comentários tão bizarros e non sense, é preciso esclarecer o seguinte:
    1) O PT ou Lula ou Dilma não são teoricamente comunistas ou marxistas. A ideologia econômica encampada pelo petismo foi o Desenvolvimentismo, ramo inspirado no Keynesianismo. Ora, o Keynesianismo é uma das correntes do pensamento econômico capitalista, adversário do liberalismo clássico, que nada tem de marxista ou comunista, apesar de defender maior participação do Estado no incremento do desenvolvimento nacional. Mas, apesar de defender o papel do Estado, o desenvolvimentismo é capitalista, pois visa a continuidade do processo de acumulação do capital, porém com controle e voltado aos interesses nacionais.
    2) Ah se nossas escolas realmente fossem freirianas! Aliás, Paulo Freire é o cientista brasileiro com maior número de citações positivas em artigos científicos no mundo inteiro. Ver pessoas leigas copiando e colando citações de gente boçal como Olavo de Carvalho para agredir Paulo Freire é a prova cabal de que a burrice impede o desenvolvimento do Brasil. E é essa gente que está no comando do Ministério da Educação neste momento. Se tem uma coisa em que o PT errou feio foi não ter implantado mais Paulo Freire nas escolas e ter deixado a terrível praga dos tempos tucanos continuar: a famigerada aprovação automática nas escolas. Todo mundo passa de ano nas escolas e isto não tem nada a ver com Paulo Freire. É herança maldita de Fernando Henrique Cardoso.

    ResponderExcluir
  10. Os taiobeirenses tem que ser estudados em Harvard para entendermos suas posições. Joel o pedófilo é idolatrado, Danilo que deixa Taiobeiras sem água todo o ano é o bonzinho. Levon que é um excelente professor, culto, escreve muito bem é visto pela sociedade como medíocre. Carlito o empresário bem sucedido, fiel a suas doutrinas, bom pagador é tido como ruim...
    Levon é criticado por defender o PT, mas os que defendem FHC e o PSDB são exaltados.
    Não dá para entender esse povo taiobeirense... também se acham como a melhor cidade. Aqui a crise só existe nos vizinhos....

    ResponderExcluir
  11. Se socialismo fosse a solução para a sociedade acredito que as nações mais desenvolvidas ja o teriam implantado. Enquanto isso assistimos assombrados o que ocorre na Bolívia, Coreia do Norte e tantos outros...
    Mas voltando ao texto, gostaria de lembrar o desfecho desses 14 anos de PT. Uma tragédia sem precedentes onde a corrupção conseguiu se entranhar ainda mais na administração pública, chegando, espantosamente, a se tornar prática comum nos mais diversos órgãos. Afora isso, mas idilicamente ligado, atravessamos uma crise financeira, polícia, econômica, moral sem dizer outros tantos com reflexos para além dessa geração talvez até pior que aquela dos anos 30.
    Atribuir a isso tudo à "herança maldita de FHC" é no mínimo um surto esquizofrênico ou na nova linguagem da internet uma "meme" cunhada provavelmente nessa Faculdade que poderia se chamar FALSO BRASIL. Porque o verdeiro Brasil está nas ruas e timidamente já demonstra que não admite tanta sujeira, desmandos e corrupção.
    Para finalizar não me admira a situação calamitosa que está a educação deste país com professores desse quilate. Se não retomarmos o caminho do crescimento, da legalidade, da meritocracia e sobretudo da educação em breve retornaremos à idade média com o Rei Lula XVI.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sensatez!O Brasil precisa de cidadãos que enxerguem a realidade e não que fiquem por aqui e acolá fantasiando teorias conspiratórias.Chega de professores limitados que oferecem uma "casquinha" de cultura a alunos medíocres;chega de péssimos administradores públicos,e seus capachos,que "vitaliciam"às custas da ignorância da população pobre-em troca de bolsas esmola-, dos tolos que vestem camisa em ano eleitoral porque têm um empreguinho de um salário mínimo na prefeitura,e dos ditos intelectuais de esquerda,que sempre com o mesmo discurso vazio-sem nexo e sem conteúdo- e confuso não chegam a conclusão alguma. Concordo com você pelo andar da carruagem o tempo do Rei Lula não tardará!Ode à Idade das trevas!!...

      Excluir
  12. Não gastem argumentos valiosos com quem fala mal do texto de Levon. Provavelmente essas pessoas falam pela necessidade de continuar com os seus cargos por contrato na prefeitura ou continuar explorando gente trabalhadora de Taiobeiras, tipo aqueles donos de loja daí que todo mundo conhece que tem a coragem de pagar R$ 300,00 para menor de idade trabalhar mais de 12 horas por dia. Taiobeiras, vergonha e não orgulho.

    ResponderExcluir