Facebook

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Sumiço de Eltim: um mês de mistério

Popular Eltim está sumido há 30 dias
Nessa terça (07/02) completa um mês que o vendedor ambulante Welinton Fernandes Vieira, popular Eltim, de 41 anos, desapareceu em Salinas sem deixar nenhum tipo de pista. Os familiares permanecem desesperados e sem nenhum auxílio. “Não sabemos mais o que fazer”, lamenta Wisleno Fernandes, irmão de Eltim.

Depois de 30 dias do sumiço, as autoridades da cidade não conseguiram nenhuma pista do que pode ter acontecido, até por que a cidade não possui estrutura para o caso. O desaparecimento ocorreu na tarde do dia 07 de janeiro, e os familiares foram ouvidos por um delegado substituto durante a primeira semana do sumiço, mas como a cidade estava sem delegado, o primeiro procedimento oficial só ocorreu 10 dias depois, na terça 17 de janeiro, quando o delegado da cidade retornou de viagem.

Os familiares também foram ao Ministério Público tentar viabilizar a quebra do sigilo telefônico, mas sem êxito, sob alegação de que “precisaria de fato concreto”. Desde o sumiço que os dois números de telefones de Eltim estão desligados.

Na delegacia, os familiares chegaram a ser informados de que não havia viatura para fazer as diligências.

No dia do desaparecimento, Eltim foi visto vendendo cartelas do “Legal Cap”, por volta das 16 horas, em frente à policlínica. Desde então, não surgiu nenhuma informação sobre ele. “Não recebemos nada ainda”, diz o irmão.

A reportagem apurou que no último sábado (04/02) foi encontrado um pacote de cartelas do Legal Cap próximo à passarela do bairro Alto São João e a Polícia Civil está averiguando.

Welinton é solteiro e não possui filhos. Era amasiado, mas há cerca de nove meses terminou o relacionamento e voltou a morar com os seus pais.

Quem tiver qualquer informação que possa colaborar para encontrar Welinton pode ligar para 190 ou 181.

11 comentários:

  1. Se fosse filho de um rico já teriam resolvido, isso é uma vergonha.

    ResponderExcluir
  2. As autoridades nunca se interessam pelos pobres

    ResponderExcluir
  3. o delegado só anda viajando

    ResponderExcluir
  4. Ainda bem que temos este veículo de informação que ajuda a sociedade na divulgação dos fatos e funciona como um amparo social, pois percebemos que se não fosse a mídia, a população não teria voz nem vez. Parabéns a equipe do Folha Regional que tem prestado este apoio a sociedade.

    ResponderExcluir
  5. E qual foi o papel do LEGAL CAP até agora? Sumiu uma pessoa que vende cartelas para engordar o bolso deles e agora a família não recebe nem um apoio da empresa? Uai. O Legal Cap deveria arregaçar as mangas e ajudar a família nas buscas. Afinal. Ele "veste a camisa" da empresa. Já pensou se todo vendedor que ver um descaso destes pela sua família desistisse de trabalhar para o legal Cap. A empresa ia a falência. Tá na hora do LEGAL CAP fazer o seu papel e ajudar a família nas buscas. Sei lá como, mas quem sabe, pagando detetive. Algo desse tipo. Divulgando também, isso é o mínimo que a gente espera.

    ResponderExcluir
  6. A cidade dificilmente tem algum caso sério como esse e quando tem, ninguém resolve nada, nenhuma pista nenhuma informação, o delegado deveria apurar mais esse caso, foi falado que a cidade não possui estrutura para o caso, ue gente e como fica? Deixa por isso mesmo? Um absurdooo

    ResponderExcluir
  7. Fiz uma visita ontem a familia. Que tristeza! Salinas tá cada dia pior. Um descaso total. Me parece que já são 37 dias e nada, nenhuma pista.Vergonha prá cidade. A cidade tá jogada mesmo. É nessa hora que descobrimos tudo . A familia vai ter que procurar a televisão.

    ResponderExcluir
  8. Se fosse rico já teria achado! Vergonha!

    ResponderExcluir
  9. gente indignada nimguem faz nada pq nao olha nas câmaras das lojas pq segundo que falam ele foi visto por ultimo no centro de salinas se fosse rico ja tinha achado,fica a dica

    ResponderExcluir
  10. sera que vai que que chamar policias de fora de novo para igual caso fabiano.

    ResponderExcluir