Facebook

quarta-feira, 15 de março de 2017

Alunos e professores da região protestam contra a Reforma da Previdência

Alunos de Novorizonte percorreram a principal Avenida da cidade
Nesta quarta (15/03) foram registradas manifestações contra a Reforma da Previdência em três cidades do Alto Rio Pardo: Salinas, São João do Paraíso e Novorizonte.

Os protestos envolveram alunos e professores da rede pública. Em Salinas, a aglomeração aconteceu nas imediações do Mercado Municipal. Em São João do Paraíso, os manifestantes protestaram na Avenida Dr. Osório Adrião da Rocha. Já em Novorizonte, os alunos da Escola Estadual João Bernardino de Souza, com o apoio de alguns professores, se aglomeraram na entrada principal da cidade e protestaram contra a Reforma da Previdência em frente à escola.

Em todas as manifestações o lema era o mesmo: “A reforma não pode ser votada, pois afetará toda a população”. “Fomos para as ruas mostrar que não podemos ficar de braços cruzados, que devemos fazer alguma coisa e deixar as pessoas cientes do que está acontecendo em nosso país”, declarou Ana Beatriz, de Novorizonte. 
Servidores da rede pública de ensino em São João do Paraíso aderiram ao protesto

4 comentários:

  1. Parabéns. Temos que dedender os nossos direitos...

    ResponderExcluir
  2. Chorem, bando de ignorantes e alienados. Protestaram contra a PEC241 e ela foi aprovada. Protestaram contra Reforma do Ensino Médio e não adiantou nada. A Reforma da Previdência vai passar! Temer não vai concorrer em 2018, então não liga para populismo, está fazendo o que tem que fazer.

    Não é questão de ser bom político ou ser honesto (Temer e todo o PMDB não são as duas coisas), mas a ideologia que ele está seguindo no momento (porque PMDB é oportunista, há pouco tempo apoiava PT) está muito à frente dessa aberração assistencialista da extrema-esquerda.

    ResponderExcluir
  3. Por que não estamos vendo funcionários de empresas privadas fazerem greve contra a reforma da previdência? Eles sabem que o melhor direito do trabalhador pode ter, é a garantia de emprego, e isso passa pela estabilidade da economia. E a garantia de uma aposentadoria futura depende hoje dessa reforma, inclusive para igualar os direitos dos dois setores: público e privado. O funcionário público inteligente também sabe que a reforma da previdência é necessária, mas aproveita a estabilidade no emprego pra fazer greve, fazer pressão e continuar levando vantagens sobre os demais trabalhadores do país na discussão dessa PEC. A maioria das empresas públicas não são auto sustentáveis pois o funcionalismo público além de menos produtivos, já acumulam vantagens desiguais com relação aos demais trabalhadores. E isso é uma injustiça porque no final são os empresários e trabalhadores do setor privado que acabam pagando a conta dos prejuízos causado pelo setor público.

    ResponderExcluir
  4. a maioria dos integrantes desse partido PMDB esta envolvidos com a lava jato se vcs.estão a favor deles ou não acompanha noticias ou gosta de ladão acorda ne gente

    ResponderExcluir