Facebook

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Justiça cassa mandato de Lane, vereadora de São João

Além de perder o mandato, Lane ficou inelegível
A juíza Marié Verceses da Silva, da Comarca Eleitoral de Rio Pardo de Minas, publicou sentença em que cassa o diploma eleitoral de Irislane Barbosa Rodrigues Xavier, a popular Lane (PP), de São João do Paraíso. Conforme a juíza, ficou demonstrado no processo que a presença de todos os elementos que provam a captação ilícita de votos, assim como de abuso de poder econômico.

Com isso, Dra, Marié impôs a cassação do diploma e ainda a tornou inelegível por oito anos. A vereadora Lane foi acusada pelo Ministério Público em Ação de Investigação Judicial Eleitoral – AIJE. Conforme o processo, nas Eleições de 2016 Lane valeu-se da “estrutura e da liderança religiosa da Igreja Mundial do Poder de Deus para, em patente abuso de poder, arregimentar ilicitamente votos dos fiéis”, inclusive com promessas de benefícios.

Em sua defesa, Lane alega deficiência no processo, uma vez que ela não recebeu a contra-fé, a cópia dos documentos que acompanham o processo, nem tampouco a mídia e as transcrições dos áudios que compõem o processo. Ela alegou também que os áudios são ilícitos, já que foram gravados sem o conhecimento dos interlocutores.

Na sentença, a juíza mencionou que a gravação das promessas aconteceu em espaço aberto ao público, com presença de grande número de pessoas, sem o resguardo do sigilo por parte da própria vereadora. Também ficou clara a autenticidade da gravação, inclusive comprovada pelos depoimentos das testemunhas.

Também ficou claro na sentença que, a vereadora eleita usou o microfone da igreja para pedir votos e prometer vantagens aos fieis, inclusive com o apoio do pastor que presidia o culto. Lane pode recorrer da sentença.

3 comentários:

  1. Política no Brasil é uma vergonha. Cada dia que passa fica mais suja, envergonhando toda uma nação.

    ResponderExcluir
  2. Da nada nao lane aqui em taio foi pior e nao deu nada

    ResponderExcluir
  3. Isso vai de cada juiz interpretar

    ResponderExcluir