Prefeitos da região criam pautas de reivindicações

Crise em algumas prefeituras inviabiliza serviços e atrasa salários
Prefeitos e representantes de entidades municipalistas se reuniram na terça (24/10) na sede da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene – AMAMS para debater a criação de uma pauta de reivindicações junto ao governo federal e estadual. Na reunião, os prefeitos participantes decidiram realizar protestos em Belo Horizonte e Brasília, nos dias 6 e 22 de novembro, respectivamente, para cobrar do Estado e União o repasse de recursos que está retido ou liberado de forma insuficiente.

Além da Amams, estavam presentes outras oito entidades municipalistas, como AMBAJE, AMEJE e AMUC.

Na pauta do debate com os prefeitos, foram tratados sobre o atraso no repasse pelo Estado dos recursos aos municípios e por isso, muitos estão sem condições de atender a população em vários setores, como o transporte escolar, onde já são quatro meses atrasados; na saúde, com vários meses de atraso e até na assistência social, onde há três meses sem o repasse do piso mineiro. A União não tem atrasado, mas vem repassando valores abaixo do necessário.

Por isso, a decisão de realizarem protesto no dia 6 de novembro em Belo Horizonte e no dia 22, em Brasília, para pedir socorro ao Governo. De imediato, querem o repasse de 1% da ajuda financeira, para permitirem fechar o ano sem problemas.  Outra reclamação generalizada dos prefeitos é com a lentidão da Defesa Civil de Minas Gerais em socorrer os flagelados da seca. Outro apontamento feito pelos prefeitos foi a queixa da interferência excessiva do Ministério Público, que tem cobrado algumas ações dos prefeitos, sem apontar como obter os recursos financeiros.

Na visão de vários prefeitos, a crise financeira está tão grande que alguns não podem, sequer, sair nas ruas, pois são cercados pela população para fazer cobranças.

Com a crise, os prefeitos que não cortarem alugueis de veículos de correligionários, acabarem com os contratos temporários e pararem de retirar absurdas diárias, não vão conseguir fechar o ano e terão sérios problemas com o Tribunal de Contas.

Comentários

  1. Em Rio Pardo de Minas as farras de gratificação para os parentes da esposa do prefeito é um caso de prisão perpétua...Parece que cada ano que passa estamos caminhando pra trás....

    ResponderExcluir
  2. O problema é que nenhum destes prefeitos ai estão dispostos a se "adequar a crise", ou seja, cortar os gastos desnecessários, pois afetarão justamente nas mordomias deles e dos seus correligionários.Então querem que repassem os recursos. Não é errado cobrar, porém quanto mais se tem, mais se gasta. E se gasta com o desnecessário.
    Isso que nem foi mencionado o fator corrupção!

    ResponderExcluir
  3. Indaiabira as gratificações pagas aos seus entes e puxas é de cair o queixo. tem diária até pra filho ir para o sitio, tem uma funcionária que nunca saiu de Indaiabira e tem diária gorda.
    Será que o MP não ta vendo.

    ResponderExcluir
  4. Vocês tem que ver em Rubelita, a situação que se encontra. O MP já está conhecendo muitos de có e salteados de tantos problemas junto a máquina pública. Só por Deus! Ninguém quer parar de mamar e com isso a população só perdendo. Até quando????? ACORDAAAAA BRASIL

    ResponderExcluir
  5. Concordo com os comentários,pois sou efetivo em uma prefeitura dessa e nós nunca somos valorizados,esses coronéis só pensam em pagar bem os puxa sacos que tem cargo de confiança e preocupa só com seu próprio umbigo.Aprendem a administrar não foram vocês que quiseram estar ai então descasca esse abacaxi, ou melhor se vira nos 30.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas da Semana

Prefeitos decidem reduzir ano letivo, fechar prefeituras e cancelar convênios

Megaoperação desmantela quadrilha de assalto a banco

PM mata suspeito em confronto