Defesa Civil de Salinas interdita escola e pais protestam

Retorno das aulas foi cancelado e 950 alunos convivem com incertezas

Uma das principais escolas públicas de Salinas está interditada. Motivo: infraestrutura precária.

A Defesa Civil Municipal, por medida de segurança, decidiu pela interdição de um dos quatro blocos da Escola Estadual Professor Elídio Duque, localizada na Avenida Floripes Crisprim, no bairro Panorama, em Salinas. Como todos os banheiros da escola, além da secretaria, estão no referido bloco, o retorno das aulas, programado para esta segunda (19/02) foi suspenso por tempo indeterminado.

Com isso, dezenas de alunos e pais chamaram a reportagem do Jornal Folha Regional para registrar um justo e preocupante protesto. “A situação da escola é caótica há um bom tempo e agora chegou interdição. Estamos preocupados com o ano letivo dos nossos filhos”, lamentou Eliete Santana, mãe da aluna Ana Beatriz.

A Escola Elídio Duque, que atende 950 alunos do Ensino Fundamental, vem enfrentando problemas em sua infraestrutura desde o ano de 2014. Como não houve ação efetiva da Secretaria de Estado de Educação, a situação foi só piorando. Em 2015, o governo mineiro assinou um “Termo de Compromisso” visando liberar R$ 400 mil para a reforma. Dois anos depois, em dezembro de 2017, a obra foi licitada, tendo a empresa Construtora Horizontes como vencedora, mas, desde então, a “Ordem de Início” não foi autorizada.

Nós estamos fazendo constantes cobranças junto à Superintendência de Araçuaí e a diversos deputados da região, mas as respostas sempre são as mesmas: não há recursos”, reclama Wilson Fernandes, diretor da escola.

 A maioria dos pais alegam que não adianta abandonar a escola e levar os filhos para educandários de outros bairros. “Estamos lutando para a melhoria da escola, que tem ótimos profissionais e um ensino excelente. Não podemos abandonar a escola por falta de manutenção, senão esse tipo de abandono acontecerá também com outros educandários”, alerta a mãe Eliete.

A esperança agora, conforme o diretor Wilson, é de que os responsáveis pela liberação dos recursos, sejam sensibilizados e adiante o processo o mais rápido possível. “Do jeito que está não tem condições de retornar as aulas, pois o risco é muito grande”, lamenta o diretor.
Um dos blocos da escola está completamente depredado


Comentários

  1. KD AS VIUVAS DE KINCA QUE ATÉ AGORA NÃO FEZ UM COMENTÁRIO

    ResponderExcluir
  2. A culpa é da falta de gestão do diretor, pois o mesmo está no seu último ano de atuação. A escola é Estadual e não municipal.

    ResponderExcluir
  3. As viúvas não apareceu porque e escola do governo de minas se fosse municipal eles estava igual urubu na carniça

    ResponderExcluir
  4. Por que a defesa civil não vistoria as ruas do bairro Primavera??? Está esperando uma catástrofe acontecer???

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas da Semana

Salinas, Taiobeiras e Curral de Dentro recebem atividades gratuitas da Semana do MEI

PM flagra comerciante com pássaros silvestres

Xadrez de Taiobeiras terá 10 representantes na 2ª fase do JEMG