Alunos do IFNMG denunciam assédio sexual no Campus Salinas

Manifestantes cobram providências da direção do Instituto

Nesta quarta (05/09), cerca de 80 estudantes do Instituto Federal do Norte de Minas IFNMG - Campus Salinas, fizeram manifestação contra atitudes de um dos professores, que estaria cometendo assédio sexual e até crime de racismo dentro da instituição. Os manifestantes alegam que vários alunos estão afastados das aulas por depressão causada pelos assédios.

O protesto dos estudantes, realizado na portaria do Campus, cobrava providências por parte da direção do IFNMG, já que, segundo eles, o professor chegou a ser afastado, mas retornou ao trabalho sem qualquer punição. "A direção sequer ouviu todas as testemunhas", disse um dos manifestantes.

Dentre a pauta de reivindicações dos manifestantes, estão os pedidos de mais diálogo com a direção, para que temas como homofobia, assédio sexual, moral e racismo sejam debatidos abertamente.

A estudante Brena Barbosa, uma das manifestantes, disse que a evasão tem aumentado por conta das repressões. "Muitos alunos estão desanimados por conta dos abusos sofridos por parte de professores", conta.

Em nota, o IFNMG disse que "considera extremamente pertinente as discussões propostas pelos estudantes, uma vez que o Instituto "repudia veementemente qualquer prática de assédio ou preconceito racial ou de gênero dentro do ambiente escolar".

Como ação para combater qualquer descriminação, o IFNMG disse ter criado o Núcleo de Estudos em Gênero e Diversidade e a reestruturação do NEABI - Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e indígenas, "que busca estimular as discussões dessas temáticas na comunidade escolar".

Por fim, a nota explica que todas as denúncias são prontamente investigadas respeitando a legislação vigente. Folha Regional apurou que foi criada uma comissão para apurar as denúncias em sigilo absoluto e que todos os procedimentos estão sendo feitos para decisão final.

Comentários

  1. Cachorrada! Tem que protestar mesmo

    ResponderExcluir
  2. O que pode esperar de uma instituição que é comandada por petralhas?

    ResponderExcluir
  3. Tem caso de estupro tb. Foi denunciado pela igreja depois de uma fiel confessar. Estão escondendo. Esse Wolf não pode ser chamado de professor é um desrespeito com a classe.
    #issonãoénormal

    ResponderExcluir
  4. Inadmissível. A instituição tem que tomar uma atitude, investigar e se for verídico; usar todo o rigor dar lei.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas da Semana

Dois meses depois de sair da cadeia, homem é preso

Gustavo Lima fará show em Taiobeiras