Depois de morto, firma de Rogério foi reconhecida

Rogério morreu em janeiro de 2008 e sua firma foi reconhecida um ano depois

O Jornal Hoje em Dia, de Belo Horizonte, denunciou procedimento que permitiu que dois caminhões em nome de Mark Rogério Freitas Santos, empresário de Taiobeiras que foi assassinado em 2008, fossem transferidos para outra pessoa. O caso está sendo apurado pelo Ministério Público Estadual (MPE), que quer saber também sob quais circunstâncias o Cartório do 3º Ofício de Notas de Montes Claros reconheceu firma de um homem morto.
Mais detalhes na próxima edição do Jornal Folha Regional.

Comentários

Mais lidas da Semana

Carreta tomba e interdita parte da BR-251

Civil recupera carga avaliada em R$ 1 milhão

Tiros durante churrasco em circo